Seguir por e-mail

quinta-feira, 9 de julho de 2009

Ascensão social x degradação moral: uma mistura imiscível.

Em meio a desigualdades socioeconômicas visíveis, há um extenso e impalpável cordão ideológico que segrega o âmbito de acesso à riqueza e oportunidade, da árdua e dramática luta pela sobrevivência. Na tentativa de romper com as amarras que lhes impelem de ascender sociamente, centenas de mulheres trilham os caminhos da prostituição que compõem a rota do tráfico de pessoas por todo o mundo.

Enquanto o Brasil emerge economicamente, cerca de 3 milhões de indigentes - segundo dados do IPEA (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) - vivem à margem da sociedade, imersos na condição de miséria, além da negligência do Estado em assegurar-lhes o direito do respeito à dignidade humana. Em meio à tamanha vulnerabilidade social, a ilusória promessa de altos salários e melhores condições de vida seduz e induz jovens e adultas canarinhas a viajar para o exterior.

Pesquisas feitas pela Pesquisa Sobre o Tráfico de Mulheres Para Fins de Exploração Sexual no Brasil (Pestraf)  revelam que há 241 rotas de tráfico no País, sendo 131 delas com destinos internacionais, sobretudo a "Conexão Ibérica", composta por Portugal e Espanha. As "trabalhadoras do sexo" geralmente pertencem às classes mais populares, têm baixa escolaridade e moram nas periferias. Muitas vezes, podem ter sofrido abusos - estupro, sedução, abandono ou maus tratos - durante a infância ou adolescência.

A corrupção dos funcionários públicos que facilitam o tráfico pelas fronteiras, além da morosidade do Judiciário no julgamento dos casos e na punição dos culpados são fatores que viabilizam a manutenção do "sexonegócio". Guiadas por expectativas de progresso pessoal, jovens e adultas se deparam com uma realidade degradante e opressora. Sofrem agressões físicas e psicológicas provenientes dos aliciadores, que também obrigam-nas a trabalhar em condições subumanas, negando-lhes o direito de retorno ao país de origem.

A imagem nacional exortada pela mídia, a qual subordina o País ao tríplice clichê - praia, futebol e mulher bonita, permite a investida de empresários estrangeiros na nefasta exploração sexual. Bitolada pelo pertinente estilo "American way of life", a sociedade brasileira importa consumo e tecnologias e exporta gente, sonhos e a esperança ingênua de usar o corpo como ferramenta capaz de quebrar as algemas que resguardam uma realidade social frágil e estigmatizada.

1 comentários:

Thaís Aragão disse...

é Karen, infelizmente o que faz a imagem de "praia, futebol e mulher bonita" do Brasil, na maioria das vezes, é o proprio brasileiro que nao entende o quao degradante isso pode ser.
O sexonegocio em todo lugar faz sucesso, pois sempre haverá "cliente", tantas e tantas jovens, as vezes ate crianças que sao vendidas pelos proprios pais a aliciadores, sao iludidas com promessas de dinheiro facil.
Até que a sociedade entenda que o corpo não é um objeto e o juridico tome reais providencias quanto ao julgamento e punição dos responsaveis por tais crimes teremos que apenas denunciar e assistir a nossas garotas [e até garotos] sendo vendidos como mercadorias.

Postar um comentário

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Blogger Templates